"Este restaurante é real e vamos servir comida aqui dentro." Foi assim que Ljubomir Stanisic abriu as portas do "Hell's Kitchen" neste domingo, 14 de março, a nova grande aposta da SIC. Com um estúdio megalómano e vibrante, recebeu 16 concorrentes, todos eles ligados à cozinha profissional, que irão competir entre si pela oportunidade de se tornarem no melhor chef de Portugal. A estreia esteve repleta de momentos marcantes, de muitos palavrões e de frases que desarmaram os participantes durante a emissão.

Uma delas aconteceu logo ao início quando, durante a apresentação, um deles explicou que se tinha inscrito no programa para testar os seus limites. Ljubomir Stanisic, sempre à espreita de uma qualquer vulnerabilidade e imperfeição nos seus discursos, não poupou. "Não precisas de querer testar os teus limites, eu próprio os testarei."

Uma cozinha gigante e castigos de CrossFit. O que esperar de "Hell's Kitchen" de Ljubomir
Uma cozinha gigante e castigos de CrossFit. O que esperar de "Hell's Kitchen" de Ljubomir
Ver artigo

De repente, o silêncio constrangedor, algum nervosismo e a antevisão de uma enorme pressão que se viria a sentir na fase final da estreia, quando o restaurante — o único a funcionar em plena pandemia — abriu para receber os convidados. Alguns deles amigos de Ljubomir, como João Manzarra.

A MAGG analisou a estreia do formato à lupa e mostra-lhe tudo o que aconteceu caso não tenha tido oportunidade de ver.

Parece que o Dia da Mulher não serviu para nada

O primeiro grande ponto negativo de "Hell's Kitchen" começa logo ao início, quando Ljubomir Stanisic anuncia que os 16 concorrentes serão divididos em duas equipas: vermelha e azul. Como é feita a divisão, perguntam? Homens para um lado, mulheres para outro. Bocejo. Muitos bocejos.

Nem de propósito, o Dia da Mulher tinha sido celebrado nessa mesma semana, a 8 de março. E ainda que "Hell's Kitchen" já estivesse, obviamente, gravado, não se entende como é que quem pensou nisto achou que iria ser uma ideia brilhante, revolucionária, original e irreverente.

É que é esta divisão que perpetua estereótipos de género, manifestados, aliás, pelo concorrente Raul em declarações que vão sendo intercaladas com a emissão habitual do concurso. "Agora vamos ver qual é o sexo forte", disse. Só por isso, já estamos a torcer para que seja eliminado. Até porque, a julgar pelo que se viu durante o primeiro episódio, parece ser o concorrente mais fraco.

Quando apresentou o seu prato ao chef, a resposta foi assertiva: "Olhando para isto, já defequei melhor. E recuso-me a avaliar o teu prato."

Continuamos numa pandemia, senhores

Eventualmente será altura de falarmos da responsabilidade da televisão em plena pandemia. E quando tivermos coragem de o fazer, estaremos prontos para dar nota negativa aos principais canais pela forma como, deliberada e permanentemente, parecem ignorar os tempos em que vivemos. É que aqui permite-se tudo: abraços, toques e a proximidade de que ficamos privados desde março de 2020.

Os programas da manhã voltaram a ter pessoas em estúdio e, muitas das vezes, sem distanciamento (a emissão do aniversário da TVI foi um bom exemplo disso mesmo), e agora até se fazem programas de talentos em que os concorrentes se beijam, abraçam e agem como se nada se passasse. É o habitual "é proibido, mas pode-se fazer" a que estamos habituados. A desculpa, também ela habitual? Os testes, o isolamento e a tomada de todas as medidas preventivas.

Temos de ser justos: "Hell's Kitchen" é, por sinal, um programa diferente dos mencionados anteriormente, a começar pelo formato. Passa-se numa cozinha em que o espaço é reduzido e são 16 concorrentes a competir entre si. Por isso, a produção da SIC decidiu pôr todos em isolamento antes de o programa começar a ser gravado, apostando em testes recorrentes e mantendo uma vigilância ativa.

"Hell's Kitchen". Os 16 candidatos que competem na cozinha infernal do chef  Ljubomir
"Hell's Kitchen". Os 16 candidatos que competem na cozinha infernal do chef Ljubomir
Ver artigo

Mas embora o risco se espere menos elevado, serve de pouco mostrar os concorrentes a cumprimentarem-se com os cotovelos se, após terminadas as provas, se abraçam e se agarram. E o exemplo que é transmitido em casa dos espectadores? Não deveria a televisão ser pedagógica nesta altura? Especialmente depois de se ter apostado tanto nela (e não tanto como se deveria) para alertar para a importância do uso da máscara e do distanciamento social?

Para realidades alternativas, já basta a ficção.

O formato original é replicado ao pormenor (e isso é um elogio)

O programa que se popularizou por Gordon Ramsay é replicado ao detalhe na versão portuguesa, e isso tem tudo de bom. A tensão que se vive na cozinha é palpável e isso proporciona momentos de entretenimento puro, que é o que se quer. E o melhor? É que ao contrário do que se viu em "Pesadelo na Cozinha", também conduzido pelo chef do 100 Maneiras, aqui a abordagem parece ser outra.

Ljubomir continua irreverente, sem filtro e com o níveis de exigência dignos de um cozinheiro profissional, mas, para já, não houve ofensa gratuita, insultos, ou momentos em que o chef menospreza os concorrentes. Outro ponto positivo é o estúdio que, esse sim, é megalómano e aposta tanto no conforto dos concorrentes, como no do espectador — que se sente dentro da cozinha, acompanhando a tensão que os concorrentes estão a sentir.

hell's kitchen
créditos: SIC

Além disso, é um estúdio que, por ser grande e apostar em cores vibrantes, enche o olho, cativa e, mais importante do que qualquer outra coisa, não distrai quem está em casa. Talvez a concorrência possa aprender uma coisa ou outra.

A segunda metade do programa, que mostra as duas equipas a tentar servir os clientes do restaurante (o único que, em pleno confinamento, funcionou nos moldes normais), faz uso dessa tensão para alongar a emissão para 90 minutos sem que em algum momento tivesse parecido demais. Foi entretenimento puro do início ao fim.

Mas "Hell's Kitchen" é também uma homenagem ao setor da restauração, um dos mais afetados pela pandemia da COVID-19 e talvez sirva para que, quando os restaurantes voltarem a abrir, não tenhamos medo de regressar a eles e às experiências que uma refeição fora de casa proporciona.

O primeiro desafio hilariante (que todos os concorrentes falharam)

Ainda que o programa se tenha acabado de estrear, houve vários momentos hilariantes ao longo da emissão. Muitos deles protagonizados pelos concorrentes acabados de chegar. O primeiro desafio a que todos foram sujeitos, ainda que sem saber, passava por provar um prato de raia com arroz e bivalves feito por Ljubomir que, terminada a prova, pediu opiniões.

"Gostei imenso, sabia a mar e eu adoro o sabor do mar", "estava excelente, mas se tivesse sido eu a fazer, provavelmente teria posto algum limão apenas porque gosto", "pessoalmente gostei do prato", "achei o prato ligeiramente picante". Foram estas algumas das opiniões dadas pelos concorrentes que, de forma unânime, elogiaram o prato.

Mas, afinal, nada daquilo era bom: era feito com ingredientes ultracongelados, arroz de péssima qualidade e delícias do mar congeladas. "Vocês não fazem a puta de ideia do que estão a comer. A raia nem tempero tinha e vocês comeram-na e começaram a inventar merdas. Não se armem em chico-espertos porque vou testar-vos a todos", disse Ljubomir.

Ah, e sobre o picante? "Zero", respondeu o chef a Lucas, o concorrente que mais odiámos na emissão.

O concorrente de que gostámos menos

Equipa Azul
Lucas, 31 anos, Vila Verde créditos: sicoficial/Instagram

De 16, Lucas é talvez um dos cozinheiros mais experientes que faz parte da cozinha do "Hell's Kitchen". No entanto, e neste caso específico, a experiência não anda de mãos dadas com a humildade. Não sabemos se aquela é a forma de estar de Lucas quando as câmaras estão desligadas, mas o que identificámos foi muito trabalho de ator, de muita plasticidade e arrogância à medida que fala.

"Não escondo que sou muito competitivo", revelou o concorrente na sua apresentação e só nos conseguimos lembrar daquelas pessoas que dizem que são muito frontais, mas que, na verdade, usam isso como desculpa para serem más. Com Lucas é a mesma coisa, só que este concorrente parecer fazer uso da sua experiência para se achar mais do que os outros numa sobranceria palpável.

Momentos mais tarde, no entanto, o prato que apresentou (um tártaro), foi completamente desvalorizado por Ljubomir. "Nota-se que quiseste surpreender e, de facto, a apresentação está bonita. Quanto ao prato... é só um tártaro". Foi o karma a funcionar. E soube bem.

O concorrente de que mais gostámos

Equipa Vermelha
Daniela, 28 anos, Valongo créditos: sicoficial/Instagram

Por oposição, Daniela destacou-se pela positiva por ser a concorrente mais genuína e humilde da equipa. Além disso, foi das poucas que assumiu o erro quando se apercebeu de que tinha falhado o primeiro teste ao não saber identificar que o prato de arroz com raia era de má qualidade.

Não sabemos quão longe chegará no concurso, mas a sobremesa que apresentou ao chef foi muito elogiada (apesar do pedaço de plástico que este encontrou) e gostávamos de a ver na final.

Os momentos marcantes do programa

Um dos momentos mais marcantes da estreia de "Hell's Kitchen" acontece quando Diogo, um dos concorrentes da equipa azul, se atrasa a entregar o prato depois de sucessivos imprevistos na cozinha: vários cortes no dedo e alimentos mal preparados.

"Coração Na Boca". O documentário sobre a vida de Ljubomir Stanisic que promete "doer"
"Coração Na Boca". O documentário sobre a vida de Ljubomir Stanisic que promete "doer"
Ver artigo

Quando o chef o confronta e lhe pergunta o que se passa, Diogo desaba em lágrimas. "Não sei o que se passou. Estive muito tempo afastado da cozinha por problemas pessoais. Tive problemas com drogas que me afastam da cozinha, da minha mulher e da minha filha."

Ao ouvir a revelação, Ljubomir apoiou o concorrente. "O que fizeste está no passado e, a partir de hoje, sou o teu chef e quero-te aqui que nem ferro firme. Se te aguentares ali dentro, vou ser o homem que te vai dar a mão para saíres dessa merda."

Melhores frases

  • "Esta raia foi mastigada por uma vaca antes?" (Ljubomir Stanisic, no momento em que o restaurante do "Hell's Kitchen" abre ao público);
  • "O que é trufas?" (Ana Cristina, no momento em que chega à cozinha do "Hell's Kitchen" pela primeira vez);
  • "Dás formações com 20 anos?" (Ljubomir Stanisic, depois de um concorrente lhe dizer que dá formações no IEFP);
  • "Não precisas de querer testar os teus limites, eu próprio os testarei. " (Ljubomir Stanisic, quando um dos concorrentes lhe diz que se inscreveu no programa para se testar);
  • "Cozinha é como sexo, como mulheres. Antes de fazeres sexo, tens de passar 40 minutos em preliminares para que ela fique louca por ti. Na cozinha é a mesma coisa." (Ljubomir Stanisic);
  • "Olhando para isto, já defequei melhor." (Ljubomir Stanisic ao avaliar o prato de um concorrente);
  • "Aquilo que eu vi, enquanto cliente, é que é uma filha da mãe na cozinha. Nunca sorri e partilha pouco com os colegas." (Ljubomir sobre Rute, durante a fase inicial do programa, que já teve oportunidade de ver a trabalhar por estar empregada no restaurante de um amigo);

Quantos palavrões disse Ljubomir Stanisic?

De bloco na mão, identificámos 16 momentos em que o chef e responsável pelo "Hell's Kitchen" presenteou os concorrentes como um palavrão — do mais leve ao mais agressivo, daqueles que precisam do fofinho "piiiii" a meio da emissão.

Comparando com alguns episódios de "Pesadelo na Cozinha", esteve relativamente calmo e contido.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.