Desde maio que Catarina Jardim (mais conhecida como Pimpinha Jardim) anda a planear a subida ao Monte Kilimanjaro, a montanha mais alta de África. Fica mais precisamente na Tanzânia, a 5.895 metros de altitude, que a apresentadora e repórter da TVI vai subir esta terça-feira, 19 de outubro, como delineou há vários meses.

"Em maio desafiei-me a subir o Kilimanjaro! Cinco meses depois aqui estou eu para uma das maiores aventuras da minha vida! Kilimanjaro, here i go!", pode ler-se na publicação.

Foram cinco meses a planear no caso de Pimpinha Jardim, mas só precisa de alguns minutos para saber tudo o que precisa antes de seguir viagem. Desde o voo para chegar ao norte da Tanzânia, passando pelo equipamento necessário para estar confortável e preparado para o tempo imprevisível, até outro aspeto bastante importante — a preparação física. A subida não é para fazer sozinho, por isso antes de ir precisará também de reservar a rota para subir ao Monte Kilimanjaro com uma equipa especializada neste percurso.

Para já, o que vai subir é a ansiedade de pensar que pode vir a cumprir este desafio com vistas ímpares pelo meio.

De Portugal a Kilimanjaro, como ir

Para ir até Kilimanjaro, na Tanzânia, raramente vai encontrar voos abaixo dos 600€, até porque vai precisar de pelo menos sete dias fora. É melhor começar a ver a viagem com antecedência para encontrar o melhor preço. Revelamos alguns.

Para outubro, o voo mais barato custa 708€ de 28 de outubro a 6 de novembro e de 30 de outubro a 8 de novembro. Já em novembro, o mais económico custa 604€ e tanto pode apanhar o avião a 18 de novembro e ficar até 27, como ir a 25 de novembro e regressar a 4 de dezembro.

InterRail grátis para jovens europeus está de volta — e há 60 mil passes de viagem para oferecer
InterRail grátis para jovens europeus está de volta — e há 60 mil passes de viagem para oferecer
Ver artigo

Em ambos os casos, o avião não é direto para Kilimanjaro, terá de fazer duas escalas no caso do voo de outubro. Após sair de Lisboa, irá para o aeroporto de Bruxelas e daí o avião segue para o aeroporto internacional de Addis Abeba Bole, na Etiópia. Finalmente, a última paragem é no aeroporto internacional de Kilimanjaro.

Já em novembro, fará apenas uma escala, em Amesterdão, antes de chegar ao local da viagem de sonho: Kilimanjaro.

Os preços e voos indicados têm como base uma simulação feita na plataforma Google Flights.

Que guia escolher para subir o Monte Kilimanjaro

Não há guia que o salve se não tiver alguma condição física para subir os 5.895 metros de altitude. Referimo-nos não só a fazer algum exercício físico — como caminhadas e treinos mais ou menos leves (aprofundaremos o tema mais à frente) —, antes de seguir viagem, como também preparar-se mentalmente para o desafio e saber ouvir o corpo durante o percurso.

Contudo, para qualquer percalço, terá a ajuda dos guias, essenciais para concretizar o sonho de subir o Monte Kilimanjaro com sucesso. Existem vários operadores, só tem de escolher aquele que oferecer melhores condições e vantagens para para carteira.

Uma das hipóteses é o Climbing Kilimanjaro, com preços que começam nos 2.450 dólares (cerca de 2.102€) para a rota Marangu, de seis dias, e vão até aos 2.999 dólares (cerca de 2.573€), que diz respeito à rota do Circuito do Norte, com duração de nove dias. A companhia assume que não são os preços mais baratos, mas acredita que "são os melhores", uma vez que está incluindo quase tudo o que precisa, menos coisas como o jantar no hotel antes e depois da subida, equipamento pessoal e o visto para entrar na Tanzânia. Por outro lado, fazem parte dos pacotes um hotel premium, equipamento de acampamento, pequeno-almoço, almoço e snacks durante o percurso.

9 razões para fazer canyoning em Arouca antes que o verão acabe
9 razões para fazer canyoning em Arouca antes que o verão acabe
Ver artigo

Outra alternativa é o Adventure Alternative (nem a propósito), que entre várias caminhadas que organiza — como à Cordilheira dos Andes, na América do Sul, ou os Sete Cumes, na Antártida —, tem a subida ao Monte Kilimanjaro. As principais rotas sugeridas são a rota Machame (em sete dias), a rota Lemosho (oito dias), a rota Rongai (aconselhada para alturas com mais chuva) e a rota do Circuito Norte (nove dias). Os preços começam nas 1.895 libras (cerca de 2.248€). Pode também fazer a subida solidária, cujo valor reverte para a associação Moving Mountains, que apoia crianças sem abrigo e aposta na educação, saúde e bem-estar social.

Por fim, a Ultimate Kilimanjaro é mais um dos operadores que oferece condições para usufruir da viagem e fazer com que desfrute do momento de cortar a respiração (em todos os sentidos). A empresa tem um total de dez rotas e mais uma vez a rota Machame é uma das mais populares. Custa 2.699 dólares (cerca de 2.315€), valor que também se aplica à rota Rongai.

Contudo, para este ano há já muitos percursos fechados: resta apenas a rota Lemosho, de oito dias, que pode fazer já de 23 de outubro a 1 de novembro (cerca de 2.572€) e a rota do Circuito Norte, que decorre de 11 a 21 de dezembro ou, se quiser passar o Natal a caminhar, de 24 de dezembro a 3 de janeiro (cerca de 2.572€).

Como fazer a preparação para subir o Monte Kilimanjaro?

Já falámos do exercício físico prévio, uma vez que, como admite a empresa Adventure Alternative, não é uma subida fácil. "Os caminhos estão em boas condições e bem delineados. Alguns são mais íngremes do que outros (em particular a Great Barranco Wall, é uma subida emocionante), mas obviamente ficam mais difíceis conforme se vai subindo. Vai ficar ofegante com mais facilidade, os seus músculos ficarão mais cansados ​​por ter que caminhar num ambiente com menos oxigénio, precisará de mais calorias para ter a energia necessária e a combinação do sol quente (e UV forte) e das noites frias também o vão esgotar", alerta.

Para fazer a devida preparação, pode seguir as dicas de treino do operador compiladas no site, entre as quais estão "caminhadas regulares em ladeiras" e treinar a resistência numa "máquina de step ou elíptica".

Já o site Mount Kilimanjaro Guide, faz um passo a passo do que fazer antes da viagem — como escolher a data, decidir a rota e a operadora de escalada — e da preparação. Na mochila deve colocar "camadas térmicas inferiores e superiores, luvas, gorro, bons óculos de sol, protetor solar (para os lábios também)", bem como "uma mochila, proteção contra chuva para tudo, garrafas de água". Sobre a forma física, o site sugere mais um guia de treino e fazer um trekking de longa distância antes de seguir viagem.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.