Inês Abrantes, personal trainer de profissão e seguidora de um estilo de vida saudável, tinha apenas 20 anos quando foi diagnosticada com duas doenças autoimunes (diabetes tipo 1 e tiroide de Hashimoto). Aos 23, recebeu um terceiro diagnóstico: artrite reumatoide.

Apesar da situação, Inês Abrantes nunca baixou os braços e cedo percebeu que tinha de aprender a lidar com estas doenças que vivem consigo. Através do seu novo livro, "Eu consigo, tu também!", Inês quer mostrar que "a vida é aquilo que fazemos dela".

"Há sempre um período de revolta, acho que é normal quando alguém descobre uma doença para o resto da vida, no meu caso três. Mas depois a única solução é aceitar e viver o melhor possível, que acho que é aquilo que eu faço", explica à MAGG a personal trainer de 27 anos.

Artrite reumatoide. Tudo sobre a doença que afeta três vezes mais mulheres do que homens
Artrite reumatoide. Tudo sobre a doença que afeta três vezes mais mulheres do que homens
Ver artigo

Durante o processo, contou sempre com a ajuda da família e do namorado, mas confessa que ter ao lado bons médicos foi também crucial. "A parte da equipa médica é super importante, tanto que eu acabei por trocar de médicos para as médicas que tenho hoje pela parte da relação humana. Não tanto pela parte clínica, porque estava realmente bem acompanhada, mas pela parte humana."

Viver com três doenças "não é fácil", mas Inês explica que, ao contrário daquilo que a maioria das pessoas pensa, a que a impede de fazer mais coisas não é a diabetes. "A diabetes a mim não me impede de nada", assume, referindo que é mais difícil de lidar com a  artrite reumatoide (doença sobre a qual a MAGG já lhe falou neste artigo).

"É uma doença articular e por isso não tem um padrão. Por ser uma doença inflamatória, tanto posso acordar muito bem, como no dia seguinte posso estar muito mal sem razão aparente. É essa incógnita do dia de amanhã que me revolta um bocadinho. Já esteve pior, mas também já esteve melhor. Depende dos dias."

Apesar de ser uma doença que não tem cura, a medicação pode ajudar a atenuar os efeitos e fazer com que a pessoa tenha uma vida sem limitações ou incapacidades. No caso de Inês Abrantes, foi só há dois anos que conseguiu perceber qual era a melhor medicação para si que, atualmente, conjuga com uma alimentação saudável e equilibrada.

"Uma vez que isto é uma doença inflamatória, quanto mais antiinflamatória for a nossa alimentação, melhor. No fundo é haver um equilíbrio entre alimentação, medicação e também a parte física e mental", afirma, recordando que as doenças autoimunes são muitas vezes "espoletadas por questões emocionais e pelo stresse". "Acho que se houver um equilíbrio dessas partes todas, associada ao descanso e à vida saudável, as coisas melhoram."

Das doenças ao papel crucial do exercício físico

"Antes da pandemia da COVID-19, falávamos da pandemia da diabetes". A doença contada na primeira pessoa
"Antes da pandemia da COVID-19, falávamos da pandemia da diabetes". A doença contada na primeira pessoa
Ver artigo

Ainda que tente sempre encarar a vida com um sorriso, nem todos os dias são fáceis na vida de alguém que lida com estas três doenças. O pior é, segundo Inês, quando alguma das patologias se descontrola por um fator externo, "seja alimentação ou stresse". "A parte mais complicada é depois voltar a tentar controlar as dores ou os valores da glicémia."

Atualmente, Inês Abrantes assume viver uma "vida plena", em grande parte, devido à forma como lida com estas limitações — mas as preocupações fazem sempre parte do seu dia a dia. "Nunca posso sair de casa sem me preocupar com nada. Tenho sempre de levar a insulina, a medicação e os SOS para o caso de acontecer algumas coisa. Não há a tranquilidade de sair de casa em cinco minutos, estou sempre preocupada com o facto de me poder acontecer alguma coisa."

No fundo, as doenças obrigaram-na a cuidar mais de si. Quando os dias são menos bons, refugia-se na família e tenta sempre fazer algo de que gosta, ou simplesmente não fazer nada. "Às vezes, também é preciso não fazer nada", diz.

Mas fazer nada é difícil para uma pessoa que nutre uma enorme paixão pelo exercício físico. Formou-se na área do desporto e foi precisamente quando estava no segundo ano da licenciatura em Gestão do Desporto que chegou o diagnóstico da primeira doença. Ao contrário do que muitos possam pensar, isso nunca fez com que Inês Abrantes duvidasse de que o caminho passava por continuar com este percurso, e atualmente é uma das personal trainers mais requisitadas do País.

Através da sua página de Instagram, Inês tem, ao longo dos últimos anos, motivado várias pessoas a iniciar a prática de exercício físico e a acreditar que as doenças não são impedimento para nada. "O exercício é a minha vida. Além de ser uma coisa que eu adoro fazer, é a minha profissão e por isso não dá para dissociar o exercício de mim. Mas a nível de prática, claro que o treino me dá sempre uma tranquilidade e uma paz que outras atividades se calhar não me dão a nível de saúde."

"O exercício é um medicamento que não vem dentro de uma caixa"

De um modo geral, Inês Abrantes refere que o exercício físico é bom para qualquer pessoa. "Para quem tem este tipo de doenças, eu costumo sempre dizer que o exercício é um medicamento que não vem dentro de uma caixa. Mas claro que tem de haver sempre luz verde por parte da equipa médica porque, numa fase inicial, se calhar não é indicado. Não porque o exercício faça mal, mas porque a pessoa ainda não sabe controlar bem o que pode acontecer caso haja uma emergência."

Inês tem vários atletas com as mesmas doenças

No Instagram, nunca escondeu a sua realidade e, por isso, para quem a segue, muito do que está no novo livro não é uma novidade. "A verdade é que não tenho interesse em esconder porque esta sou eu. Eu sou a Inês e tenho três doenças. É a mesma coisa que ser morena ou ser loira."

5 exercícios de braços para fazer em qualquer lado — e sem precisar de material desportivo
5 exercícios de braços para fazer em qualquer lado — e sem precisar de material desportivo
Ver artigo

Ao longo do seu percurso profissional, Inês Abrantes foi-se especializando também nestas áreas de modo a poder ajudar os atletas que, tal como ela, lidam com estas adversidades. De acordo com a personal trainer, muitos dos atletas da sua equipa têm doenças autoimunes e acabam por a contactar para serem acompanhados de uma forma mais personalizada.

Atualmente, Inês Abrantes e a sua equipa, composta por profissionais do exercício físico e nutrição, prestam acompanhamento personalizado presencial ou online (para todo o mundo).  Em Lisboa, os treinos indoor decorrem no ginásio The Studio e BW Studio e os outdoor variam entre a zona da Expo, Odivelas e Loures. No Porto, há treinos indoor no 4 fit Studio e outdoor em algumas zonas do Porto e Gaia. Para entrar em contacto com a equipa, basta fazê-lo através do site de Inês Abrantes.

Com o livro, "Eu consigo, tu também!", já nas bancas, Inês conta que a grande menagem que pretende passar é que " há sempre uma parte positiva em tudo, e que nada é o fim do mundo." Ao longo de mais de 160 páginas, os leitores poderão conhecer toda a história de Inês, contada na primeira pessoa, ter acesso a planos de treino semanais (com direito a ilustrações explicativas) e ainda a receitas saudáveis pensadas pela nutricionista da equipa. O livro está à venda por 17,09€.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.