Com a pandemia COVID-19 veio o confinamento e menores níveis de poluição e de carros na cidade. Ao contrário do que acontece na China, em que o trânsito começa a aproximar-se já ao cenário pré-coronavírus, na Europa a vontade é de se manter a calma nas estradas e a limpeza do ar, substituindo-se automóveis por bicicletas e transportes públicos.

É esse o resultado de uma sondagem que mostra que os europeus querem apostar em mudanças na mobilidade urbana, preferindo formas mais limpas de transporte em detrimento de carros a entupirem e poluirem os centros das cidades. A sondagem levada a cabo pela Federação Europeia de Transportes e Meio Ambiente, incluiu 21 grandes cidades (com impacto mais significativo do confinamento na poluição) de seis países europeus, como Espanha, França, Alemanha, Itália, Reino Unido, Bélgica. Integrou entrevistas feitas a 7,545 adultos de várias idades, género e estratos sociais, realizadas pela YouGov.

Nos resultados, ficou claro: 64% das pessoas não deseja voltar ao cenário de poluição pré-pandemia, sendo que 68% é a favor de medidas que proíbam os carros de entrar no centro das cidades. 74% dos inquiridos querem mesmo protecção contra a poluição no ar, mesmo se isso obrigar a apostar mais em bicicletas, transportes públicos e caminhadas a pé. Uma em cada cinco pessoas faz planos para apostar mais em bicicletas e 35% planeia andar mais a pé.

Avenida da Liberdade regista os níveis de poluição mais baixos do século
Avenida da Liberdade regista os níveis de poluição mais baixos do século
Ver artigo

Mesmo em contexto de pandemia, os transportes públicos continuam a ser uma preferência dos cidadãos, com a condição de se apostarem em formas de protecção contra o vírus: 54% dos inquiridos planeia voltar a usar esta forma de mobilidade, caso sejam tomadas medidas de higiene. 27% planeiam fazê-lo, independentemente da implementação das novas regras para evitar o contágio.

Os resultados permitem, aos promotores da sondagem, concluir que "as autoridades municipais deveriam proibir carros particulares de combustão e determinar que as frotas públicas e privadas, como táxis, sejam de emissão zero até 2025", cita o jornal "Público". “Modernizar e electrificar a frota de autocarros pode oferecer uma oportunidade ao garantir que as pessoas se sintam seguras e confortáveis. ”

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.