O Aura Dim Sum é um novo espaço que traz a comida cantonesa a Alfama. Especializado em "pedaços do coração" (a tradução de dim sum, em chinês), pequenas peças de massa recheadas com vários ingredientes, surge por várias paixões, uma delas a deste produto tradicional chinês.

Os responsáveis são Catarina Goya, 31, e Jose Luíz Suárez, 50, um casal que se conheceu há mais de uma década. Catarina é brasileira, mas aos 8 anos foi viver para as ilhas Canárias, onde conheceu o atual companheiro, natural de Madrid. Acabaram por se mudar para Londres, cidade na qual viveram cinco anos, e onde uma amiga os levou a um restaurante que mudaria tudo: era "um dos melhores de dim sum em Londres", explicou-nos a dona do Aura.

Fizemos um roteiro ibérico sem sair do Príncipe Real com as novidades do Tapisco
Fizemos um roteiro ibérico sem sair do Príncipe Real com as novidades do Tapisco
Ver artigo

Catarina Goya estudou farmácia e teve profissões como babysitter e rececionista, mas acabaria por dedicar a vida a esta iguaria. O par ficou rendido quando a provou pela primeira vez no aniversário de Jose, graças à amiga e, desde então, a brasileira aprendeu tudo o que conseguiu sobre estes dumplings artesanais.

"Por coincidências da vida, eu estava procurando trabalho e me chamaram desse restaurante para trabalhar", disse-nos, tendo ficado por lá durante três anos. "Foi crescendo a obsessão por essa cozinha" e teve aulas particulares com um mestre. Insatisfeita, viajou até Singapura para aprender com a mestre do mestre, desta vez em chinês.

O casal viajou pela Ásia durante um ano e, finda a jornada, abriram um restaurante na Bahia, mas a afluência não foi a esperada. "Era muito de temporadas", referiu Catarina. O filho de Dominic, um cliente francês habitual, sugeriu mudarem-se para Portugal. E assim fizeram.

Aura Dim Sum
Catarina Goya, 31 anos, é uma das responsáveis pelo Aura Dim Sum. créditos: Haley Kelsing

Esta recomendação revelou-se frutífera e resultou na abertura, em maio de 2021, de um espaço físico no Elevador da Bica. Começou um local para take-away, realização de pop-ups e eventos e, a pedido dos clientes, tornou-se restaurante, tendo apenas 16 lugares e cinco mesas. "Não era confortável", confessa a responsável.

O espaço não permitia alcançarem aquilo a que almejavam, pelo que, a 13 de julho, mudaram de morada para Alfama, desta vez para um local com 38 lugares. Abrir no número 88 da Rua das Escolas Gerais pode ter sido um presságio, já que o 8 é um número de grande sorte na China.

O elétrico 28 passa mesmo à porta deste espaço pequeno, mas acolhedor. A meio da refeição é comum ver-se uma mancha amarela e ouvirem-se os carris, um pormenor que exalta a magia da capital portuguesa. Outrora uma farmácia numa rua estreita, agora, graças à decoração, transporta-nos para o Oriente.

Com azulejos bordeaux, uma casa de banho com luz vermelha e um balcão com 11 lugares, é palco de um frenesim entre os funcionários prestáveis, que andam de um lado para o outro a garantir que todos são bem servidos. A cozinha está a olhos vistos e o vapor a sair das caixas circulares de madeira onde se fazem os baos é constante.

O bao é um pão chinês cozido a vapor, que leva inúmeros recheios. No Aura Dim Sum é mais uma das tentações presentes na ementa. Mas, antes de começar a comer, é obrigatório provar um cocktail da equipa "Living the Drink", composta por um casal que faz as bebidas asiáticas deste restaurante.

Provámos o Royal Crown Fizz, que contém gin, folhas de limão kaffir, fino sherry, limão e soda de melão verde. Custa 9,50€, bem como o mais forte, o buko pandan, com rum branco, pandan, matcha, coco torrado, fino sherry e limão. E para acompanhar o resto da refeição?

Pedimos uma coca-cola e deixámos o funcionário sem jeito, já que não há quaisquer refrigerantes. Terá de optar pelo chá gelado da semana (5€), por uma cerveja asiática (4€) ou até por um vinho verde, branco, rose ou tinto. O vinho da casa é Vale de Fornos (branco ou tinto) e a garrafa custa 16€.

A carta está dividida entre várias categorias: alimentos feitos a vapor (há seis opções e vêm três unidades); guo tie (há cinco opções e vêm cinco unidades), alimentos fritos (três opções de cinco unidades cada); chao shou, que são wontons picantes (quatro opções com quatro unidades); baozi (quatro opções de três unidades); delícias vietnamitas (dois pratos), saladas (duas opções) e sobremesas (três à escolha).

Este tipo de comida não é para os esquisitos. Há que prová-la de mente aberta, esperando uma mistura de sabores diferentes que chega a arrepiar as bochechas. Também as consistências são distintas daquelas a que estamos habituados e grande parte dos pratos têm picante (totalmente tolerável).

Nunca tínhamos provado nenhuma destas comidas. Desconhecíamos o mundo dos baos, dos dumplings e das gyozas. O cheiro que paira pelo restaurante estranha-se e depois entranha-se. Durante o jantar de imprensa no qual participámos, uma das jornalistas comparou-o ao cheiro de couves, e com razão.

A loiça é toda típica e muito caricata, desde a peça para pousar os pauzinhos às tigelas com colheres necessárias para certos pratos. Convém ter perícia, já que terá de manobrar toda a comida com os pauzinhos, desde noodles a sementes e passando por pequenos bolos. Na sua maioria, são escorregadios: um dos baos foi parar ao colo de uma jornalista, sujando-lhe o vestido.

Um dos nossos favoritos foi a salada de pato crocante, com mix de folhas, chalotas, pomelo, toranja, castanha de caju e romã (10,50€), muito agradável e doce. Também experimentámos a outra salada, a shrimp bún chá, com noodles de arroz, camarão caramelizado, pepino, chalotas, amendoim torrado, ervas frescas, molho nuoc cham e raiz de lótus frita (9,50€), cujos ingredientes combinam na perfeição.

Passaram também pela nossa boca o sea shumai, que é o dim sum tradicional e leva caranguejo, vieiras, camarão, gengibre e cebolinho (12,50€) e os lamb sticky rice pearls, com borrego, cogumelo shiitake, cenoura, gengibre e cebolinho (9,50€). Já o bao de frango e caril (com frango do campo, batata, caril e cebolinho, por 9,50€) parecia uma chamuça.

Ficámos a conhecer o wonton de porco, gengibre e cebolinho (8,50€), o lamb & pak choy, com borrego, pak choy e gengibre (9,50€) e o duck and shiitake mushrooms, com pato, cogumelos shiitake, castanhas de água e cebolinho (11€). Os dumplings de cogumelos (8,75€) surpreenderam-nos.

Levam cogumelo ostra rei, shimeji, cogumelo shiitake, chalotas e cebolinho e, no fundo, são bolinhas recheadas com cogumelos. Estes bolos fofos feitos de pão são muito macios. Ainda aproveitámos para comer os holy fish dumplings, com o peixe fresco do dia, coentros, gengibre e cebolinho (10,75€).

Para fechar o jantar, provámos as sobremesas chè chuoi, um pudim de tapioca com leite de coco, pandan, cardamomo e banana caramelizada (6,50€), cujo aspeto é o de uma papa com bolhas, e o gelado de sésamo preto caseiro (6€), surpreendentemente salgado, ao contrário do que se espera de um gelado. Para a próxima, passamos as sobremesas (e a balança agradece).

Atualmente, apenas servem jantares no Aura Dim Sum. Caso queira almoçar, tem de ser a um sábado. "É verão, as pessoas estão mais para a praia, de férias. A ideia é abrir para os almoços também, mas mais para o inverno", contou-nos Catarina Goya. O restaurante esteve sempre cheio enquanto lá estivemos e o movimento não abrandou.

Quanto aos acessos, a estação de metro mais próxima é a de Santa Apolónia, que implica uma subida brutal durante 20 minutos, que vai dispensar uma ida ao ginásio nesse dia. No entanto, deram-nos uma dica preciosa: se estacionar o carro no parque da Feira da Ladra não paga nada e fica bastante próximo.

Aura Dim Sum

Morada: Rua das Escolas Gerais, 88A
1100-215, Alfama, Lisboa
Reservas: www.auradimsum.com
Horário: de terça-feira a sexta-feira das 18h às 23h; sábados das 12h às 15h e das 18h30 às 23h3o

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.