Com o aproximar do verão, chega também a vontade de comer muitos doces com os quais não nos cruzamos durante o inverno. As bolas de Berlim vendidas na praia, os gelados dos estabelecimentos à beira-mar e as cervejas são uma verdadeira tentação e há quem não resista a consumir todos estes alimentos durante as férias. Mas a verdade é que quando as escolhas alimentares não são as mais adequadas, acabam por interferir com a nossa saúde.

Todos sabemos que o segredo de uma alimentação saudável está no equilíbrio, o problema está no facto desse equilíbrio deixar de ser uma preocupação durante as férias, explica a nutricionista Catarina Lopes em entrevista à MAGG. "O que acontece é que as pessoas vão de férias e aproveitam para sair das dietas ou deixar de fazer uma alimentação saudável. O que eu costumo dizer sempre às pessoas é que se vão de férias para relaxar e descontrair o objetivo até deveria ser escolher ser mais saudável e ter mais tempo para elas e para comer melhor. O que acontece é que se verifica exatamente o contrário e isso não faz sentido porque o nosso corpo não tira férias de nós", defende.

Comer quando se tem fome, parar quando se está saciado. Assim é a alimentação intuitiva.
Comer quando se tem fome, parar quando se está saciado. Assim é a alimentação intuitiva.
Ver artigo

Deste modo, Catarina aconselha a que tirar férias não seja desculpa "para fazermos mal a nós próprios" e consumirmos tudo aquilo que não consumidos durante o ano. "Se a pessoa for de férias e começar a comer bolas de Berlim e gelados todos os dias, e a beber álcool diariamente, claro que não há corpo que aguente e passa a haver uma inflamação, inchaço abdominal e a pessoa vai-se sentir pior, além de (obviamente) aumentar de peso."

Contudo, segundo a nutricionista, quando existe uma educação alimentar e quando a pessoa sabe comer, as férias nunca serão uma preocupação a este nível. "Se a pessoa tiver uma base saudável (consumir proteína animal ou vegetal, fontes de vitamina, minerais, fibras) à partida, não vai haver problemas nas férias. Há um ou outro excesso, por exemplo, a pessoa habitualmente não beber álcool nenhum e nas férias bebe um ou outro copo de vinho, ou não come sobremesa e acaba por comer, mas isso não tem mal se for feito com equilíbrio", continua.

Que estratégias adotar para não passar o verão a comer aquilo que, em grandes quantidades, nos faz mal?

Por vezes, achamos que substituir aquilo que mais nos apetece comer por algo similar, mas com menos calorias, pode ser o segredo, mas Catarina defende que nestes casos o melhor é mesmo a pessoa apreciar o momento. "Às vezes, até é bom que as pessoas comam o que realmente querem para que consigam matar a saciedade", afirma.

Uma boa estratégia é optar, por exemplo, por decidir comer uma bola de Berlim no fim das férias. "Se a pessoa comer uma bola de Berlim no início das férias, é mais provável que tenha vontade de comer uma todos os dias enquanto que se decidir comer no último dia, só vai comer aquela", diz. "É melhor do que tentar substituir, porque há coisas que não são substituíveis", continua.

A verdade é que o efeito deste tipo de alimentos no organismo depende também muito de pessoa para pessoa e da alimentação que cada um tem regularmente. "Se eu tiver uma alimentação saudável, comer uma bola de Berlim e nesse dia fazer uma caminha de uma hora na praia, não vou sentir nada."

O pior, segundo a nutricionista, acontece quando se trata de pessoas sedentárias que, além da bola de Berlim, de manhã comeram um pequeno-almoço cheio de bolos e ao almoço uma refeição de fritos. "Claro que aí vai ser mais um completamento nocivo a acrescentar ao efeito. A bola de Berlim não é de todo um alimento bom, mas não é um alimento isolado que faz com que a pessoa fique pouco saudável", realça Catarina Lopes, referindo que o mesmo se verifica relativamente ao álcool.

Os gelados e sumos de fruta são todos saudáveis?

Chegado o verão, chega também a vontade de consumir cada vez mais alimentos que nos refresquem, e os gelados e sumos de fruta vêm sempre no topo da lista. A verdade é que quando chega a hora de escolher, e queremos optar por decisões mais equilibradas, nunca sabemos quais são as ideais. E se lhe dissermos que alguns gelados de marcas como a Olá, por exemplo, são mais aconselhados do que os que se encontram nas geladarias à beira-mar?

Manga, morango ou abacate? Quatro gelados de fruta para fazer em casa
Manga, morango ou abacate? Quatro gelados de fruta para fazer em casa
Ver artigo

Neste campo, a nutricionista aconselha a que optemos sempre pelos sorvetes feito à base de água e realça que "muitas vezes os artesanais têm muito mais açúcar".

Quanto aos sumos, é provável que tenhamos andado também enganados. Catarina Lopes salienta que beber um sumo de laranja todos os dias não faz bem e muitos sumos de fruta têm mais açúcar do que aquilo que imaginamos. Assim, aconselha a que nos questionemos sempre sobre se aquilo que estamos a beber tem muito mais fruta do que aquela que consumiríamos se não fosse em sumo.

"É preciso ter cuidado com os sumos porque muitas vezes têm excesso de açúcar e o facto de ser de fruta não quer dizer nada. A maior parte dos restaurantes introduz açúcar nos sumos e, por outro lado, os sumos de fruta têm muito mais frutose do que aquela que devemos consumir", afirma, salientado que, ao realizar um sumo, o melhor é sempre conjugar uma fruta com um legume. Pode parecer estranho, mas garantimos que é delicioso. Para a próxima refeição, deixamos uma das sugestões da nutricionista Catarina Lopes.

Sumo Verde

Sumo Verde
créditos: catarinalopesnutri/instagram

Ingredientes: 

— 1/2 pepino
— 1 maçã verde
— 2 mãos cheias de espinafres
— 1/2 limão
— 1 mão cheia de coentros
— 1/2 colher de chá de chlorella

Modo de preparação: 

Colocar todos os ingredientes num liquidificador e triturar.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.