Dificilmente vamos esquecer a data de 2 de março de 2020, dia em que Portugal registou o primeiro caso de COVID-19. Por esta altura começaram a levantar-se inúmeras dúvidas sobre o que vírus era este, qual a diferença entre COVID-19 e SARS-COV-2 e quantas semanas íamos ter de esperar até que houvesse uma vacina para acabar com a pandemia. De semanas passámos para meses e foi preciso esperar até aos últimos quatro dias antes de acabar o ano para assistir ao início da vacinação que promete erradicar o vírus (ainda que agora se fale numa nova estirpe).

Pelo meio, fomo-nos questionando sobre os cuidados a ter com crianças, que vieram a ser as menos afetadas pelo novo coronavírus numa primeira fase da pandemia, deparámo-nos com a aplicação de um estado de emergência a 18 de março que implicou o dever de recolhimento domiciliário e a adoção do teletrabalho (que parece que veio para ficar) e, em resultado de tudo isto, vimos ainda muitos empregos ficarem em risco e outros ainda a extinguirem-se.

Tiago Mayan acusa ministra da saúde de ser responsável por 10 mil mortes "fora COVID"
Tiago Mayan acusa ministra da saúde de ser responsável por 10 mil mortes "fora COVID"
Ver artigo

Já para não falar das viagens que ficaram pendentes e dos voucher acumulados, das férias de verão que andámos até à última para marcar ou desmarcar e, da mais recente incógnita neste contexto de pandemia nunca antes vivido: o NatalNo entanto, em números, o maior impacto da COVID-19 está nas mais de 6 mil vidas que foram levadas por esta doença desde o início da pandemia em Portugal. 

Este foi sem dúvida um ano que todos gostaríamos de esquecer, mas na impossibilidade disso, duas especialistas explicam como fazer o luto de 2020 e entrar em 2021 de forma cabeça erguida.

Primeiro luto: a morte

Foram muitos os que perderam entes queridos para a COVID-19 e para outras fatalidades sem se poderem despedir como gostariam, mais uma vez, devido às restrições impostas. Uma perda por si só nunca é fácil e exige o devido "luto, um desfecho, uma despedida, que precisa de um tempo e que pode variar de acordo com o grau de afinidade, bem como o estado psicológico em que a pessoa já se encontra", diz Cátia Pereira, psicóloga e especialista em Vinculação Segura à MAGG.

A situação pandémica, que limitou o número de pessoas presentes em funerais — lugar onde são ditas as últimas palavras e trocados gestos e expressões de consolo —, fez com que em alguns casos não tivesse sido possível fechar um ciclo.

Como ultrapassar então as perdas dos últimos meses? "A melhor forma é formalizar esse momento de despedida, seja individualmente ou acompanhado por um pequeno grupo", refere a especialista. Para isso, sugere escrever uma carta com aquilo que desejava ter dito à pessoa que morreu, juntar mais dois ou três amigos, permitindo-se chorar e relembrar os bons momentos vividos, lançar um flor ao mar ou oferecer algo à família mais próxima como símbolo de afeto.

Desde 1949 que Portugal não tinha um número tão elevado de mortes
Desde 1949 que Portugal não tinha um número tão elevado de mortes
Ver artigo

Ao mesmo tempo que deve partilhar aquilo que está a sentir junto de quem confia, na opinião de Cátia Pereira é também importante ter momentos de silêncio. Cada pessoa leva o seu tempo a fazer o luto e este pode passar por cinco fases, definidas pela psiquiatra Elisabeth Kübler-Ross: a negação, a raiva, a negociação, a depressão e a aceitação.

"Elas não acontecem necessariamente por esta ordem e também nem todas as pessoas passam por todas as fases. Por isso, a minha indicação é que possamos criar um espaço seguro, de confiança, de escuta e de interajuda para que o apoio esteja presente por quem passa por este luto. Sempre que necessário, procurar acompanhamento psicológico", aconselha a especialista.

Segundo luto: a fragilidade financeira e mental

À primeira instância, parece que as dificuldades económicas e a saúde mental não têm nada que ver, mas analisando de perto, não podiam ter mais em comum. Enquanto muitos trabalhadores ficaram em layoff, vendo parte do salário cortado e as mesmas despesas a chegarem ao fim do mês, outros perderam mesmo o emprego. Em ambos os casos, a incerteza do dia de amanhã andou lado a lado com a ansiedade e o medo.

"Acredito que para as pessoas que se viram este ano numa situação de desemprego estejam a vivenciar muitas emoções. É necessário fazer o luto dessa perda num caminho desde a negação à aceitação", refere a psicóloga clínica Sara Crispim, especialista em ansiedade.

Hug-a-Group. Há uma app de apoio psicológico com terapias de grupo online
Hug-a-Group. Há uma app de apoio psicológico com terapias de grupo online
Ver artigo

Esse processo deve envolver, primeiro de tudo, uma reflexão de modo a que quem ficou numa situação frágil profissionalmente ou ficou desempregado encontre novas soluções, mesmo que signifiquem sair da zona de conforto. "Esta situação não define quem a pessoa é, por isso, é importante que não se julgue ou se culpe, mas sim que tire partido das suas potencialidades para se recriar", sugere a especialista.

Mais uma vez, o apoio de familiares e amigos é essencial, mas há mais uma ferramenta destacada pela psicóloga: "Fazer uso das redes sociais para se destacar dos demais candidatos. Desistir nunca poderá ser opção", reforça.

No entanto, para outras pessoas, já não resta qualquer motivação. Ao longo dos nove meses que passaram desde março, a pandemia não afetou apenas a saúde no que diz respeito à COVID-19, como também a saúde mental, à qual nunca se deu tanta atenção como agora.

Além de depressão, agora fala-se até em "Fadiga Pandémica" ("pandemic fatigue"), nome que se refere ao cansaço emocional provocado pela pandemia e foi até reconhecido pela comunidade científica de vários Estados Membro da Europa e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um novo problema.

"O primeiro passo, em caso de depressão, por exemplo, deverá ser procurar a ajuda de um psicólogo e de um psiquiatra. O trabalho de equipa entre ambos os profissionais é fundamental, para que a pessoa alcance a estabilidade emocional", aconselha a psicóloga Sara Crispim, que remata com uma dica chave: "Devemos valorizar a saúde mental tanto quanto valorizamos a saúde física".

Terceiro luto: os abraços que ficaram por dar

Ainda agora andamos numa dança de cumprimentos hesitantes, que vista de fora parece um cenário humorístico. Os beijos, abraços e apertos de mão foram enterrados a 1 de março, pelo menos em Portugal, e demos logo lugar a cotovelos para dizer "olá" a quem chega (mas não muito perto). Outra das opções que encontrámos foi dar um "toque" de pé e ainda surgiu o cumprimento de punho — embora esse pareça o menos seguro higienicamente.

Tudo isto são meros cumprimentos a que nos habituámos a dar no dia a dia, muitas vezes cordiais, e que em nada se comparam com o verdadeiro toque que ficou para trás: um abraço, um beijo na face ou umas simples mãos dadas de consolo. Com maior ou menor grau de afetividade, as restrições de toque tiveram consequências a níveis clínicos, sociais, políticos e ambientais.

E quanto é que nos vão afetar no futuro? "Quanto aos impactos clínicos e sociais futuros, importa referir o que já estão acontecer no momento presente", diz a especialista em Vinculação Segura. Cátia Pereira enumera um maior distanciamento da família mais próxima, em particular dos avós, que sempre foram um apoio na educação das crianças, quebra que representa o afastamento de "duas faixas etárias que tanto contribuem para o bem-estar uma da outra".

Ainda sobre os jovens, agora do pré-escolar à universidade, "já tem impacto e terá ainda mais no futuro, na leitura das emoções, na forma de contato saudável, com limites claros e seguros, que só no contacto é que são aprendidos", acrescenta a especialista. Quantos aos adultos, tem-se assistido a uma tendência para evitar o contacto social, "que representa um grande sinal de alerta para a saúde psicológica e social, uma vez que somos seres sociais e precisamos de ligações afetivas saudáveis uns com os outros".

Resta saber como é que vamos ultrapassar, durante o ano 2021, estas barreiras afetivas que fomos criando ao longo dos últimos meses. É certo que sabemos que em janeiro abraçar ainda não vai ser seguro, mas, a longo prazo, quando tudo isso puder ser retomado, ainda o conseguiremos fazer?

"Considero que já nos encontramos a recuperar os nossos afetos de formas bem criativas e que, no próximo ano, ainda vamos enaltecer e prosperar mais nesse campo afetivo", diz a psicóloga Cátia Pereira. A criatividade levou-nos a tomar partido dos meios virtuais, onde tiveram lugar festas de aniversário, sessões de cinema entre amigos à distância e os treinos em direto em casa que se tornaram virais.

Um treino completo a 1€ e sem sair de casa? Só nas aulas do Careca
Um treino completo a 1€ e sem sair de casa? Só nas aulas do Careca
Ver artigo

De um modo ou de outro, fomos estabelecendo e conservando as nossas relações até porque, de acordo com a especialista em Vinculação Segura, "as relações são muito mais do que a união de pessoas. E como tal, é importante que cada um de nós procure preencher a sua necessidade de segurança, tanto física como emocional".

Por isso, para o futuro, a especialista tem várias sugestões para criarmos relações quer à distância, quer presencialmente. Devemos questionar como respeitar as necessidades de conexão de modo a que nos sintamos seguros, identificar o que ajuda a voltar a confiar que é seguro estar junto das pessoas, identificar o que estamos a sentir, relembrar as regras base do bem-estar físico e mental (como uma alimentação saudável, sono, exercício físico e tempo de qualidade em família) e ter ainda presente que distância física não é sinónimo de distância emocional, logo, um simples "podes contar comigo" pode fazer a diferença na ligação com o outro.

Quarto luto: os planos que ficaram por fazer

Podemos não fazer propriamente uma lista escrita à mão, mas acabamos sempre por criar uma lista mental com as resoluções para o novo ano. Mal sabíamos o que nos esperava em 2020, por isso, este ano não foi exceção, o problema é que os clássicos saúde, dinheiro e realização pessoal e profissional foram os principais afetados.

"O ano 2020 foi um ano desafiante a todos os níveis e penso que a avaliação do que poderia ter sido realizado (e não foi) pode não ser benéfico", diz a psicóloga Sara Crispim, que sugere que substituir essa análise por questões como: o que 2020 me ensinou, o que pude aprender, o que refleti. Ainda que cada um tenha estabelecido metas diferentes para 2020, há uma aprendizagem que se aplica à generalidade.

"Provavelmente muitas pessoas aprenderam com este ano que nada na vida se controla e que a única coisa que controlamos é o momento presente. Em suma, em vez de rejeitarmos o que não realizámos, acolhermos e agradecermos o que conseguimos alcançar", destaca a especialista em ansiedade.

Além disso, podemos tirar como lição de 2020 que as resoluções de Ano Novo devem ser feitas com cautela, uma vez que, "dependendo de pessoa para pessoa, poderá ser difícil gerir a frustração e as emoções quando os objetivos não são alcançados", diz a psicóloga Sara Crispim.

Do luto ao próximo passo: encarar 2021

"Um possível recomeço". É assim que a psicóloga Sara Crispim sugere que encaremos o próximo ano. E note a palavra "possível". É que se há coisa que 2020 nos ensinou foi a não dar nada como garantido e é precisamente com esse pensamento que devemos planear as novas metas e entrar em 2021.

"Diria que podemos olhar para 2021 com uma perspetiva de descoberta mas também de esperança. O que nos vai trazer este novo ano não sabemos, mas porque não deixar este ano revelar-se por si mesmo?", sugere a especialista em ansiedade. "Queremos muito que este novo ano seja a 'luz ao fundo do túnel', no entanto, existem fatores com os quais podemos não estar a contar e que não dependem diretamente de nós. Aí a resiliência ocupa (novamente) um lugar de destaque", diz.

7 novos brunches que nasceram para que os restaurantes se mantenham de pé
7 novos brunches que nasceram para que os restaurantes se mantenham de pé
Ver artigo

Ainda assim, nada nos impede de projetar algumas resoluções, nem que seja no sentido de melhorar os danos sofridos em 2020. A saúde mental, amplamente afetada, é um dos campos que pode ser alvo de novos objetivos.

Melhorar a alimentação? Praticar exercício físico? Fazer ioga uma vez por semana para controlar a ansiedade? Praticar mindfulness? Não precisa de anotar, bastar refletir sobre as metas que fazem mais sentido no seu caso. "Diria que os melhores objetivos são aqueles em que investimos em nós, principalmente na nossa saúde física e mental", remata a psicóloga Sara Crispim.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.